Meu Candidato se Vendeu*

**Dão Real Pereira dos Santos

Quando votei em 2010 eu não sabia tudo o que deveria saber sobre o meu candidato. Eu conhecia sua história e acreditei em suas promessas. Acho que até ele mesmo acreditava. Assim como muitos eleitores, eu não me considerava um simples eleitor. Ajudei na campanha, no convencimento de outros eleitores de que ele era um bom candidato. Afinal, ele vinha do nosso meio, era uma pessoa que conhecia a realidade das pessoas e o sofrimento daqueles que mais precisavam de um Estado justo e solidário, tinha sido um ativista dos movimentos sociais no passado. Era de um partido histórico que sempre representou as bandeiras históricas de construção por uma sociedade mais justa.

O que eu realmente não sabia – e que ele também nunca disse – era que, antes mesmo de ser eleito, ele já estava comprometido com os seus financiadores. Ele certamente nunca teve dúvidas de que não se tratava de uma simples doação, mas de um negócio. Aliás, uma coisa não dá para negar: o meu candidato é um cara muito inteligente e esperto. Portanto, não há dúvida de que ele sempre soube que os empresários que pagaram os custos da sua campanha só o fizeram com o intuito de obter ganhos com ele caso fosse eleito. Estou certo de que isso deve ter sido dito de forma muito clara desde início, quando da captação dos recursos. E se não foi, não tinha como não saber que se tratava de um contrato. Enfim, não é razoável imaginar que um empresário vá investir seu capital em negócios que não dêem retorno. Mesmo sabendo disso, ele aceitou o dinheiro, portanto, aceitou o preço e, se tem outra coisa que não dá para negar, é que meu candidato não daria o calote em um credor. Dívida é dívida, e ele sempre foi muito bom pagador.

Mas eu não sabia que o meu voto era só uma forma de ele poder pagar a sua dívida eleitoral. A bem da verdade não posso dizer que ele não tenha sinalizado algum esforço para implementar os grandes projetos sociais prometidos e que foram determinantes em sua expressiva votação. Mas como ele já estava vendido, e os tais grandes projetos sociais acabariam certamente contrariando o interesse dos seus credores, este esforço não passava de meras tentativas de manutenção de um minguado vínculo comigo e com os milhares de eleitores que se imaginavam representados.

O dilema do candidato se resume a decidir se vai enganar o eleitor ou o credor. Abstraindo as considerações de ordem moral, a escolha acaba ficando muito fácil. Se não aceitar o investimento dos empresários, estará concorrendo de forma absolutamente desigual e quase que certamente não se elegerá; logo, por mais bem intencionado que seja, não conseguirá implementar suas idéias. Se aceita o investimento, poderia escolher não enganar o eleitor dizendo claramente quais são os seus compromissos com os seus credores e, muito provavelmente, não se elegeria. Enganando o eleitor, há grande chance de se eleger e então, diante da cobrança das dívidas de campanha, se verá obrigado a não implementar as suas/nossas idéias. Ainda restaria a opção de enganar o credor e não pagar as dívidas, mas alguém votaria em um caloteiro? E quem o financiaria novamente?

Parece uma armadilha e realmente é uma armadilha. O papel do candidato se reduz a capturar a simpatia dos eleitores, ainda que seja vendendo a ilusão de que vai representá-los e lutar pelas suas expectativas de construção de uma sociedade mais justa para, depois de eleito, passar a representar as forças econômicas que lhe garantiram os recursos financeiros e que foram determinantes para que chegasse até ali.

Enfim, neste jogo, meu candidato é um vencedor. Fez o papel que lhe cabia fazer e acha que mereceu o prêmio. Mas eu perdi sem saber que estava jogando. Fui enganado, pois não sabia que meu candidato já estava vendido.

* este é um texto de ficção

**sócio fundador do Instituto Justiça Fiscal

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: