IPVA para jatinhos e iates

PEC que propõe a estados cobrança de imposto sobre estes veículos deve ser apresentada na quarta-feira. Segundo o Sindifisco, arrecadação pode alcançar R$ 2,7 bilhões por ano *

 

O clima de manifestações e reivindicações nas ruas vai resultar em mais uma proposta de aumento de impostos com foco nos contribuintes mais ricos. Depois de a bancada do PT ter decidido nesta semana ressuscitar projetos de taxação de grandes fortunas, o Sindifisco Nacional anunciou que pretende entregar ao Congresso Nacional na próxima semana uma proposta de emenda à Constituição (PEC) com o objetivo de permitir que estados cobrem o Imposto sobre Veículos Automotores (IPVA) de iates e jatinhos. A proposta será oficialmente apresentada na quarta-feira por um deputado do PT a pedido do sindicato, que representa os auditores fiscais da Receita Federal.

Alterar a Constituição é necessário porque os estados não têm conseguido emplacar leis para taxar esses veículos de luxo, explica o presidente do Sindifisco Nacional, Pedro Delarue. “O Supremo Tribunal Federal (STF) entende que o IPVA foi criado em substituição a uma taxa rodoviária”, explicou. Se a emenda for aprovada, o inciso III do artigo 155 passará a mencionar a “propriedade ou posse de veículos automotores, terrestres, aquáticos e aéreos”. Outro item isentará barcos e aviões de uso comercial, deixando claro que o foco são iates e jatinhos.

Delarue estima que a arrecadação adicional com os tributos sobre esses itens seja de R$ 2,7 bilhões por ano. Ele acha que a carga tributária não aumentará, pois os estados poderão compensar a receita extra com a redução de alíquotas do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Apesar de defender a compensação, ele não acredita que o Brasil tenha carga tributária elevada. “É maior do que a de países em desenvolvimento, como Argentina e México, mas equivalente à da China e dos Estados Unidos, em torno de 35% do Produto Interno Bruto (PIB). Temos que ver que país queremos ter”, declarou.

Outra proposta, um projeto de lei ainda sem data para ser apresentado, determina a correção anual da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF), elevando os limites de isenção e de mudança de alíquota, portanto reduzindo o valor a ser pago. Como há, segundo o Sindifisco, defasagem de 70% nessa correção, a proposta estabelece aumentos de 5% por ano entre 2015 e 2024, mais a variação do salário médio no país no ano anterior. Se fosse aplicada neste ano, a correção seria de 8%.

Em uma década, a perda de arrecadação com essa proposta seria de R$ 140 bilhões, ou R$ 14 bilhões, em média, por ano. Para compensar tal queda, o mesmo projeto estabelece a taxação dos lucros e dividendos distribuídos aos donos de empresas, com uma alíquota progressiva de até 15%. A arrecadação anual com isso chegaria a R$ 18 bilhões. “Estamos em um momento de conscientização da sociedade. As pessoas vão prestar mais atenção ao dinheiro que perdem com os mecanismos injustos de tributação”, disse Delarue.

TAXAÇÃO DE FORTUNA

Sobre as propostas da bancada petista para taxar grandes fortunas, Delarue afirma que são “uma opção válida”, mas ressalva que poderá enfrentar dificuldades para a implementação, para evitar que as pessoas transfiram patrimônio para familiares e para pessoas da família. A arrecadação, afirma, tende a não ser tão alta: cerca de R$ 3 bilhões por ano, pouco mais do que o IPVA dos iates e jatinhos.

O deputado Cláudio Puty (PT-PA), autor de um dos 10 projetos para taxar fortunas, afirma que pretende taxar pessoas com patrimônio acima de R$ 3 milhões, sem contar o imóvel de moradia, em alíquotas anuais entre 0,5% e 3%.

* Publicado no site do http://www.sindifisconacional.org.br

Anúncios

Uma resposta

  1. É importante esta iniciativa porém, outras com efeitos mais imediatos poderiam ser tomadas como o aumento da alíquota do IPI para esses itens (atualmente em 10%) ou seja, menores que as alíquotas de vários eletrodomésticos. Tal medida pode ser tomada pelo Ministro da Fazenda e entra em vigor 90 dias após a publicação.
    Ainda com relação ao IPI e de mais tributos sobre embarcações de luxo é importante assinalar a elevada (vergonhosa) sonegação do setor.
    Wilson Torrente

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: